jump to navigation

Memória musical: Procol Harum 08/09/2010

Posted by blogdolevitrindade in Música.
Tags: , , , , , , , , ,
3 comments

Em 1967, uma banda britânica – com um estilo musical que era uma mistura de rock progressivo, psicodélico e rock artístico – despontou nas paradas de sucesso com um hit que a marcou para sempre: a banda se chamava Procol Harum.

Inicialmente formada por Gary Brooker (teclado, vocal), Barrie “B.J.” Wilson (bateria), Matthew Fisher (órgão), Robin Trower (guitarra), David Knights (baixo) e Keith Reid (letras), a banda, na verdade, surgiu da união de alguns músicos com ex-integrantes do The Paramounts, um grupo que não chegou a ficar tão marcado na memória dos fãs de rock.

Como a nova banda não tinha ainda um nome, por sugestão de seu empresário, Guy Stevens, foi batizada de Procol Harum, que, de acordo com relatos, vinha a ser o nome do gato de um amigo de Stevens e que, em latim, quer dizer “além dessas coisas”. No entanto, estudiosos da língua afirmam que a grafia está incorreta e que o certo deveria ser “procul his”. Bom, que seja, eu prefiro do jeito que ficou e a banda também pensava a mesma coisa.

Como já disse lá no início, Procol Harum despontou em 12 de maio de 1967. O hit responsável por colocá-los nas paradas foi A Whiter Shade of Pale, uma canção com um estilo melancólico, meio barroco, interpretada com maestria por Brooker, com a batida perfeita do batera Wilson e a sonoridade fantasmagórica do órgão de Fisher.

Os próximos sucessos foram Homburg e A Salty Dog, mas não chegaram a superar a canção de estreia, causando uma certa frustração nos fãs. Em seguida vieram Conquistador, Grand Hotel e Pandora’s Box, as quais ficaram bem posicionadas nas paradas, mas que sucumbiram à sombra de A Whiter Shade of Pale.

O canto do cisne veio em 1977, com o lançamento de Something Magic, que ficou em 147º lugar na Billboard.

A banda voltou a se reunir em 1991, com alguns antigos e novos integrantes, mas com Gary Brooker ainda a liderando, e continua se apresentando até hoje.

Em 2009, um juiz decidiu que Matthew Fisher tem direito a 40% dos royalties pela autoria de A Whiter Shade of Pale, os quais antes eram divididos igualmente entre Gary Brooker e Keith Reid. Em sua decisão, o juiz alegou que “a contribuição do organista é substancial, mas não é maior do que a do vocalista principal”.

Pra fechar, algumas curiosidades:

– o asteroide 14024 Procol Harum recebeu seu nome em homenagem à banda;

– existe uma orquídea com o nome do grupo;

– o segundo livro da série O Guia do Mochileiro das Galáxias, O Restaurante no Fim do Universo, de Douglas Adams, foi inspirado na canção Grand Hotel.

Agora, vamos curtir alguns vídeos, ok?

A Whiter Shade of Pale

Homburg

A Salty Dog

Conquistador

Grand Hotel

Pandora´s Box

Anúncios